Retrospectiva: 10 aportes feitos em empresas e startups de SC este ano

Diante de uma pandemia, a tendência do mercado, pelo menos no início do ano, foi de retração. Quando falamos de fundos e grupos que pretendiam iniciar a participação em empresas e startups através de aportes, o cenário de mostrou tímido, mas promissor no decorrer dos meses.

Isso porque alguns segmentos se destacaram e alguns negócios tiveram ainda mais protagonismo, com destaque para o setor de tecnologia.

Nesse conteúdo, reunimos os principais aportes feitos em empresas e startups de Santa Catarina no ano. Os valores vão de 1 a 40 milhões de reais, confira abaixo por ordem cronológica:

Em fevereiro, a Involves, empresa de tecnologia de Florianópolis, levantou R$ 23,5 milhões para acelerar expansão internacional e ter equipes locais na Colômbia e México. O aporte foi feito pelo fundo Bridge One Investimentos, em operação assessorada pela LKC Capital.

Em um momento em que contato físico está restringido e as pessoas mantêm uma distância de pelo menos um metro entre si na hora de fazer compras, a Payface, também de Florianópolis, entra em cena para tornar o processo de pagamento mais rápido, seguro e sem toque. A empresa concluiu em junho uma rodada de investimentos de R$ 3 milhões, somados os aportes feitos pela empresa de tecnologia BRQ Digital Solutions, o fundo Next A&M da consultoria Alvarez & Marsal, a aceleradora Darwin Startups, além de grupos de investidores apoiados pela Harvard Angels e Nikkey Empreendedores do Brasil (NEB), e individuais como o Conrado Engel, ex-presidente do HSBC no Brasil. A startup desenvolve tecnologia própria de reconhecimento facial com objetivo de proporcionar uma experiência diferenciada de pagamento.

Também em junho, o catarinense Gustavo Raposo tirou da gaveta o projeto de fundar uma startup de crédito consignado, a Leve Capital, após reconhecidos investidores do mercado assinarem um cheque de US$ 1 milhão. A startup recebeu aportes do Global Founders Capital (GFC), fundo global de investimento em venture capital. Além disso, o valor compõe parte de investidores-anjo, como Patrick Sigrist e Guilherme Bonifácio (fundadores do iFood), e Rodrigo Dias (CEO e fundador da Butiá Investimentos).

Já em agosto e na contramão da crise, a Invisto, maior hub de investimentos em venture capital da região sul do Brasil, é a prova de que a pandemia não está atrapalhando as rodadas de investimento das startups. Referência para investidores que buscam oportunidades em scale-ups localizadas em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, a gestora anunciou o aporte de R$ 1 milhão na Equilibrium, empresa de Florianópolis que otimiza e gerencia o processo logístico de mercadorias no país. 

A Gofind, de Joinville, captou R$ 1,5 milhão numa rodada liderada por Malte Huffmann e Philipp Povel, fundadores da Dafiti Group, além do investidor anjo Sérgio Cochela, o fundo Invisto e a gestora TM3 Capital. O investimento foi concluído na virada para 2020 e divulgado em agosto pela startup. A solução consiste em um localizador que utiliza inteligência artificial para ajudar o consumidor a encontrar produtos disponíveis nas proximidades.

No mesmo mês, a startup Asksuite, de Florianópolis, que desenvolve uma plataforma de vendas diretas e atendimento para hotéis, recebeu um aporte de R$ 4 milhões do fundo de venture capital Abseed. Atuando em um segmento altamente impactado pela crise, a startup foi em busca de investimento para expandir seu negócio ajudando na retomada do setor com o auxílio da tecnologia.

Sem valor divulgado, a Molde.me, de Jaraguá do Sul, que oferece ao mercado têxtil uma ferramenta de modelagem digital na nuvem, recebeu no fim de agosto um investimento da Rede de Investidores Anjo (RIA). A ferramenta desenvolvida pela startup permite que modelistas possam desenhar e digitalizar moldes para automatizar atividades como adicionar margens de costura, fazer gradação para todos os tamanhos, conferir medidas e adicionar pences. 

Um dos maiores investimentos do ano foi feito na Asaas, de Joinville, que desenvolve uma conta digital para empreendedores. O valor do aporte foi de R$ 37 milhões do fundo Inovabra Ventures, braço de venture capital do banco Bradesco, em outubro.

Apenas três dias após vencer o principal prêmio de startups no Brasil, na categoria de startup revelação, a Transfeera, fintech de Joinville, recebeu no mesmo mês um aporte de R$ 3 milhões. O investimento foi liderado pelo fundo GooDz Capital e com a participação da Bossa Nova Investimentos, Honey Island Capital e Curitiba Angels. A empresa, que criou um sistema de gestão e processamento de pagamentos, cresceu 50% e dobrou a base de clientes no último ano.

A startup YAK Tratores Elétricos, também de Joinville, recebeu em novembro um importante investimento através do programa Finep Startup. O aporte total no valor de R$ 1,2 milhão será usado na ampliação da equipe e desenvolvimento de novos produtos, entre eles o trator YAK 80E, que terá um módulo de operação autônomo.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. EntendiSaiba mais