Para 69% dos líderes, cultura organizacional é parte do sucesso de empresas durante pandemia

De acordo com a Pesquisa Global de Cultura Organizacional de 2021, realizada pela PwC, 69% dos líderes de empresas atribuem o bom desempenho dos colaboradores durante a pandemia à cultura organizacional. 

Esse conjunto de normas, crenças, valores, comportamentos e hábitos dentro de uma empresa precisa ser alinhado com toda a equipe de forma constante para que se torne natural e enraizado em cada funcionário e líder. E quanto antes começar a implementação da cultura, melhor.

É nisso que acredita Santiago Bezerra, gestor de serviços da CRMThink, de Joinville:

“Começamos há dois anos, quando nossa equipe ainda era pequena, com cerca de 12 pessoas. A cultura é a liga que unifica o time em um único objetivo. Se não construir uma base sólida, você pode ter problemas de entrega, mau atendimento ao cliente, dentre tantos outros. Procuramos, desde o início, consolidar a nossa cultura, que envolve um ambiente onde há liberdade, humildade, confiança, flexibilidade, transparência e comunicação”, explica.

Para essa implementação, a empresa contou, e ainda conta, com o apoio de Tati Amorim, head de Pessoas e Cultura da Culture Designer:

“Foi uma iniciativa muito legal da CRMThink buscar esse tipo de estruturação logo no início, com as pessoas que estavam começando a empresa, as quais chamamos de “Heróis da Cultura”. Essas pessoas ajudam a construir e a consolidar o alicerce cultural. Assim, quando mais colaboradores forem chegando, eles terão um acesso mais fácil ao comportamento coletivo esperado”.

Outro benefício da cultura organizacional bem estruturada é que a equipe se molda  naturalmente, fortalecendo a captação de talentos. 

“Nossa cultura acaba definindo o perfil de quem é contratado, de quem vai fazer parte ou não. Existe a pessoa certa para a cultura certa. Por isso, o processo se torna mais natural”, conta Santiago.

O fato de a implementação da cultura ser feita por uma empresa terceirizada também se torna um ponto positivo nessa construção. 

“O olhar neutro permite que eu veja as necessidades do colaborador e da empresa, trabalhando como facilitadora do processo, trazendo insights. Essa neutralidade facilita a comunicação. Além disso, faço mentorias constantes com o Romualdo Silva, CEO da CRMThink, para conversarmos, entendermos os desafios e encontrarmos soluções”, aponta Tati Amorim.

Hoje, com 30 pessoas no time, a CRMThink prospecta crescimento graças à produtividade e trabalho da equipe. 

“Nossa comunicação está muito mais assertiva. Agora, vamos focar no clima da empresa, além de fortalecer ainda mais nossa cultura. Queremos trabalhar junto com faculdades, trabalhar com a capacitação mais técnica do Bitrix24, envolver mais o pessoal e preparar para o futuro”, conclui Santiago.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais