3 em cada 10 MEI fecham as portas em até 5 anos de atividade no Brasil

Os microempreendedores individuais (MEI) são os que apresentam a maior taxa de mortalidade em até 5 anos.

De acordo com a pesquisa Sobrevivência de Empresas (2020), do Sebrae com base em dados da Receita Federal e com pesquisa de campo, a taxa de mortalidade desse porte de negócio é de 29%. Já as microempresas têm uma taxa de 21,6% e as de pequeno porte de 17%.

Segundo o estudo, é possível inferir que a maior taxa de mortalidade dos MEI também esteja associada à extrema facilidade de abrir e de fechar esse tipo de empreendimento, quando comparado às Microempresas (ME) e às Empresas de Pequeno Porte (EPP).

Além disso, quanto menor o porte da empresa, mais difícil obter crédito para manter o capital de giro e conseguir superar obstáculos como os ocasionados pela pandemia.

Entre as empresas que encerraram as suas atividades, cerca de 34% acreditam que ter acesso a crédito poderia ter evitado o fechamento da empresa.

Ainda segundo o levantamento, apenas 7% desse grupo de empresas solicitaram crédito bancário e obtiveram êxito.

Ao analisar a sobrevivência por setor, o levantamento detectou que a maior taxa de mortalidade é verificada no comércio, onde 30,2% fecham as portas em 5 anos.

Na sequência, aparecem indústria da transformação (27,3%) e serviços (26,6%).

As menores taxas de mortalidade estão na indústria extrativa (14,3%) e na agropecuária (18%).

Minas Gerais é o estado com a maior taxa de mortalidade com um percentual de 30%.

Distrito Federal, Rondônia, Rio Grande do Sul e Santa Catarina apresentaram uma taxa de mortalidade de 29%.

Amazonas e Piauí foram os que apresentaram as menores taxas de mortalidade, com 22%, seguidos por Amapá, Maranhão e Rio de Janeiro, com 23%.

OUTROS DADOS RELEVANTES:

  • 42% dos entrevistados estavam desempregados até três meses antes de abrir a empresa. Este número é expressivamente maior do que o total de desempregados verificados na pesquisa realizada em 2016: 23%.
  • Dentre aqueles que estavam desempregados antes de abrir a empresa, apenas 41% continuam com o empreendimento em atividade atualmente. Já entre os que estavam empregados, esse número sobre para 51%.
  • 72% dos entrevistados possuíam experiência anterior ou conhecimento no ramo de negócio da empresa.
  • 57% dos entrevistados consideram que empreenderam por oportunidade. Enquanto isso, quase 30% dos respondentes empreenderam por necessidade. Em comparação à pesquisa de 2016, observa-se uma diminuição no percentual de empreendedores que abriram empresas motivados por “oportunidade”.
  • A sobrevivência de quem empreende por oportunidade é de 58%, já no grupo de quem empreende por necessidade, esse percentual cai para 28%
  • Entre os empreendedores que fecharam a empresa, 34% dos acreditam que ter acesso a crédito poderia ter evitado o fechamento do negócio. Já ¼ dos respondentes afirmou que ter mais clientes teria sido útil.
você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais