Propósito e sustentabilidade reforçam pertencimento de profissionais

Empresas com propósito estão cada vez mais entre as escolhas, não só por consumidores, mas por quem busca posicionamento profissional.

É o que diz a pesquisa da Euromonitor International. No último ano, 73% dos colaboradores acreditam que as iniciativas de sustentabilidade são essenciais para o sucesso e 50% acreditam que atuam em uma empresa focada no propósito.

Uma forma de saber se a empresa segue boas condutas, por exemplo, é pelo selo Great Place to Work, consultoria global que reconhece e certifica os melhores ambientes de trabalho em todo o mundo.

Em Santa Catarina, o ranking foi puxado pela Teltec Solutions, de Florianópolis. A empresa de tecnologia vem remodelando sua cultura há mais de 6 anos e buscando oferecer ao colaborador um lugar onde ele queira fazer a carreira, bem como ajudar no desenvolvimento da sociedade. 

“Buscar o selo também é uma forma de permitir que os colaboradores vivenciem as ações da empresa. Começamos aplicando pesquisas de clima com a metodologia GPTW para entender os gargalos de negócio e a vivenciar a realidade. Identificamos gaps, o que precisava ser evoluído, focado e colocar ações em prol desse objetivo”, revela a coordenadora da área de Desenvolvimento Humano e Organizacional (DHO), Natália Pruchneski.

Dentre as práticas que levaram a empresa a conquistar o topo do ranking no estado e o 33º lugar do país, estão as voltadas ao cuidado. 

Durante a pandemia, com os colaboradores em casa, a empresa passou a oferecer auxílio psicológico e criou o comitê Safe Solutions, onde há um canal de atendimento médico para tirar dúvidas, dar direcionamento e suporte às pessoas com sintomas do coronavírus. Além disso, foi entregue um kit com materiais de prevenção.

“A pandemia nos uniu muito. Antes, a participação das pessoas era algo pontual, hoje já é mais coletivo e um fator determinante para isso foi a transparência na comunicação e no trabalho com os líderes”, complementa a coordenadora.

Ela conta que um dos pilares do propósito da empresa é a cultura de retribuição à comunidade, num programa chamado de Giving Back:

“Engajamos os colaboradores e atuamos com a visão de olhar para o outro, inclusive com tecnologia. Instalamos Wi-Fi na praça Monte Serrat, no centro da capital. Um zelador me contou que ele usou essa rede para ajudar o filho a estudar durante a pandemia. Temos esse viés de responsabilidade social”. 

Para a colega de trabalho, Kellyn Mafra, também há 6 anos na empresa, esses pilares da marca vão de encontro com os valores pessoais, o que contribui com a motivação no trabalho:

“Trata-se de algo verdadeiro. Muitas vezes, nossos diretores que dão as melhores ideias e os melhores desafios para que possamos fazer além. É sempre motivador estar em um lugar onde é possível ter essa sensação de pertencer”.

Outra forma de saber se a empresa tem um propósito é avaliar se o discurso de cultura condiz com as práticas realizadas. Nas palavras de Maurício Rodrigues, CEO da Openbox.ai, “as ações precisam fazer sentido”.

Fundada em 2018, a fintech especializada em antecipação de recebíveis, fornece taxas ainda menores para empresas com ações sustentáveis. 

“Queremos mudar o mercado com sustentabilidade. Efetivamente, estamos fazendo história. Sabemos que tem desafios, mas vemos que o movimento está acontecendo”, destaca o empresário.

A ideia de oferecer “algo a mais” foi desenhado junto com o projeto de criar a empresa. Para a head de Propósito e Comunicação da startup, Yazmín Trejos, as ações precisam ser condizentes com o discurso. Dessa forma, o colaborador passa a acreditar na empresa:

“Só 13% dos funcionários do mundo se sentem envolvidos em seu trabalho. É necessário gerar um significado, pois estamos lidando com novas gerações. No nosso entendimento, propósito é quando você conecta sonhos e ambições internas de uma empresa com uma necessidade da sociedade e  contribui com ela”.

Os efeitos da cultura da fintech são sentidos tanto por gestores quanto pelos colaboradores, como Lennon da Silva Rocha, Desenvolvedor de Sistemas e Infraestrutura Cloud na startup há pouco mais de um ano.

Para ele, a motivação surge de um ambiente que é tanto acolhedor e descontraído, quanto focado e assertivo:

“Numa época de crises sanitárias e problemas climáticos, ser parte de uma empresa que tem a sustentabilidade como pilar fundamental e que vê seus colaboradores como sua ferramenta concreta de impacto social, significa estar inserido num ambiente onde todas e todos entendem o sentido de sua atuação nos nossos processos diários e que fazer mais, tanto por seus colabores quanto pelo ecossistema em que está inserida, não são coisas diferentes”.

Durante a pandemia, a Openbox.ai também criou um programa voltado à saúde dos colaboradores. O Staying Alive visa cuidar do bem-estar emocional e financeiro da equipe, oferecendo suporte necessário para evitar crise, como sessões de terapia individuais e até um auxílio financeiro extra.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais