Startups de SC participam de pesquisa sobre impacto das queimadas no Pantanal

Um consórcio multisetorial fará levantamento inédito no Pantanal para identificar espécies de animais e da vegetação afetadas pela queimada histórica ocorrida no ano passado na região.

O grupo, formado por pesquisadores de universidades, empresas e terceiro setor, todos voluntários, se uniu para viabilizar a coleta de amostras de solo e água, que terão seu DNA sequenciado pelas startups de biotecnologia Neoprospecta e BiomeHub.

O método é mais preciso para mensurar o impacto nas áreas devastadas, em relação ao que é mais comumente usado, a observação.

Os incêndios destruíram 30% da área, o equivalente a 30 vezes o tamanho da cidade de São Paulo ou uma área maior que a Dinamarca.

Muitas espécies foram fortemente afetadas e algumas populações podem ter sido perdidas.

“Com os resultados desses modelos teremos uma excelente estimativa de quais espécies da biodiversidade local foram mais afetadas e será possível desenhar ações de conservação mais específicas e avaliar a possibilidade de repovoamento nessas áreas”, destaca o biólogo e especialista em biologia celular e molecular Alberto Dávila, idealizador do projeto.

Ele explica que serão coletadas amostras do solo e da água das regiões norte e sul do Pantanal, tanto das áreas queimadas quanto da que permaneceu intacta.

Dessa forma, explica o especialista, que é pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) há 18 anos e tem o Pantanal como seu objeto de estudo desde 1994, será possível, em laboratório, identificar espécies de animais e vegetação que existem nas áreas intactas e comparar com o que foi encontrado nas áreas queimadas, obtendo um saldo das perdas causadas pelo fogo.

Além disso, complementa o CEO da Neoprospecta, Luiz Fernando Valter de Oliveira, o sequenciamento do DNA dessas amostras permitirá identificar também bactérias e fungos presentes no solo e água, que são tão relevantes para o ecossistema quanto animais e plantas:

“O ineditismo do projeto está no fato de usarmos a tecnologia de DNA em uma escala nunca antes realizada. Assim, teremos uma ideia mais clara sobre a real biodiversidade, não só de tudo o que é observado e capturado, mas também do que nunca ninguém viu e poderíamos perder sem conhecer”.

O recolhimento das amostras iniciaram mês passado e se estenderão por um ano.

O sequenciamento genético será realizada ao longo de todo o período e os resultados parciais serão informados à sociedade periodicamente, por meio da página na internet do projeto.

Como será feita a identificação das espécies impactadas

  1. Pequenas amostras da fauna e flora previamente identificados são coletadas;
  1. Amostras de água e solo de áreas queimadas e não-queimadas são coletadas;
  1. O DNA dessas amostras é extraído e alguns genes sequenciados;
  1. As sequências geradas analisadas permitem identificar a qual a espécie corresponde esse DNA;
  1. Esse método permite obter evidências sobre o percurso de animais em determinadas áreas sem a necessidade de observá-los de perto;
  1. As marcas e pistas que deixam no ambiente (excreções, pelos, escamas, pele, etc) carregam seu DNA e, com esses métodos e tecnologias, é possível  determinar “quem passou por ali”.
você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais