Uso de assinatura digital em apólices torna seguradoras mais competitivas

Uma das maiores preocupações das seguradoras é a busca pela inovação e tecnologia.

O uso de soluções para digitalizar assinaturas de apólices é uma maneira de sobreviver a um mercado competitivo e uma das ferramentas que ajudam neste processo são as assinaturas eletrônicas. 

De acordo com a BRy Tecnologia, empresa especializada em soluções de criptografia, de janeiro a junho de 2020, cresceu em 91% o percentual de assinaturas eletrônicas em apólice de seguros totalmente eletrônica em suas plataformas.

O número mostra que as seguradoras estão se adaptando a um novo cenário imposto pela pandemia e o distanciamento social. 

“A possibilidade de assinar uma apólice a distância, sem contato, está impulsionando o setor. Somente em março deste ano, percebemos um crescimento no uso da assinatura digital por seguradoras de 22%, comparado a fevereiro de 2020. Em maio, o percentual foi ainda maior, chegando a 39% em relação a abril”, explica Rafael Godinho, consultor comercial da empresa.

De acordo com ele, a desmaterialização de documentos, ou seja, a substituição do papel por documentos eletrônicos, é uma forma ágil e segura de automatizar a tramitação de apólices.

“A assinatura digital utiliza uma infraestrutura de chaves criptográficas (ICP-Brasil) que seguem os padrões estabelecidos pela legislação brasileira, por isso, possuem a mesma autenticidade que um documento em papel. A tecnologia dispensa custos com envio de documentos, evita que se extraviem no caminho e, além de tudo, a apólice chega rapidamente no cliente de forma segura, o que é um ganho em termos de competitividade”.

BENEFÍCIOS PARA O MEIO AMBIENTE

A desmaterialização de documentos também é um passo a favor da sustentabilidade.

Para se ter uma ideia, quando uma empresa gera 100 contratos de 10 páginas está consumindo o equivalente a 1 mil litros de água, gerando 0,5 kg de lixo e gastando, em média, R$ 136 em custos com a impressão. Isto sem falar na emissão de CO2, que pode chegar a 6,8 mil kg.

A cultura paperless é uma tendência no mundo corporativo, pois reduz ao máximo a quantidade de papel utilizada nas rotinas e processos dos escritórios.

Por isso a assinatura digital é uma aliada importante, afinal possui mecanismos seguros de criptografia e ainda tem validade jurídica.

Além disso, um documento assinado digitalmente pode ser armazenado em nuvem e ainda tem uma durabilidade infinitamente maior que o de papel.

“São benefícios que ajudam não só as empresas em inovação e segurança, como também a firmarem seu papel como agentes de transformação quando se fala em sustentabilidade”, complementa.

O especialista destaca abaixo os tipos de assinatura:

  • Assinatura digital: A seguradora pode usar a assinatura digital, que exige um certificado digital, ou seja, uma identidade eletrônica de criptografia fornecida por autoridades certificadoras credenciadas a ICP-Brasil. Neste caso, é obrigatório que a pessoa que assina tenha seu próprio certificado digital que garantirá a validade jurídica à assinatura.
  • Assinatura eletrônica: Outra maneira de assinar documentos é usando uma assinatura eletrônica, que dispensa o certificado digital. Neste tipo de assinatura, a validade é garantida por evidências, como geolocalização, endereço IP do assinante e o próprio e-mail do usuário.
  • Assinatura híbrida: Este formato permite o uso simultâneo da assinatura digital e da assinatura eletrônica no mesmo documento. O uso desse formato facilita a assinatura das apólices e contratos, pois permite que uma parte que não possui certificado digital assina os documentos com validade jurídica. Um exemplo prático é quando uma seguradora ou corretor de seguros precisa da assinatura de um cliente. Mesmo que só a empresa possua o certificado digital, todas as partes podem assinar de forma válida.
você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais