Presidente da Brasil Júnior fala sobre empreendedorismo e mercado de trabalho

Sabemos que os jovens estão entre os mais atingidos pela recessão e o desemprego provocados pela crise da pandemia.

Entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano, esses grupos perderam 34,2% e 26% da renda, respectivamente, de acordo com o Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV Social).

No segundo trimestre deste ano, enquanto a taxa geral de desemprego no país era de 13,3%, entre a população de 18 a 24 anos ela alcançou 29,7%

A catarinense Ana Beatriz Cesa, presidente da Brasil Júnior, que representa mais de 20 mil jovens empreendedores de 1.140 organizações sem fins lucrativos, fala sobre empreendedorismo, pandemia e o mercado de trabalho nos próximos anos, em entrevista exclusiva a Beatriz Bevilaqua, jornalista e colunista do Economia SC.

Qual foi o seu primeiro contato com as empresas juniores? O que te chamou mais atenção?

Ana Beatriz Cesa: Eu já conhecia empresas juniores superficialmente desde pequena porque uma prima minha fez parte. Quando entrei na universidade vi a apresentação de duas que eu poderia fazer parte, a de administração e a de design e moda. O que mais me chamou a atenção foi a possibilidade de interdisciplinaridade, o mundo de coisas novas que se abriam ali na minha frente e que eu podia mergulhar e aprender. Também o brilho no olhos das pessoas que estavam apresentando, a fala delas eram cheias de coragem e determinação e na hora eu pensei: também quero sentir isso. 

Como foi o processo para ser a presidente executiva da Brasil Júnior?

Ana Beatriz Cesa: Em 2019 eu era presidente executiva na FEJESC (Federação de Empresas Juniores do Estado de Santa Catarina), e era apaixonada por tudo que estávamos fazendo. Quanto mais eu conhecia sobre o Brasil mais eu queria ser parte do desenvolvimento dele, além de sempre levantar e acreditar muito na necessidade de lideranças femininas. Foi assim que decidi que gostaria de me candidatar e, entendi, ao longo do processo eleitoral, que o que eu estava fazendo era me colocar à disposição da Brasil Júnior e do MEJ, trazendo quem eu era, o que eu acreditava e como eu poderia e queria ajudar a alcançar nossas metas e formar, por meio da vivência empresarial, mais empreendedores comprometidos e capazes de mudar o Brasil! A jornada foi de muito estudo, conexão, análises do meu alinhamento cultural com a organização e no fim o resultado foi positivo e fui eleita!

De que maneira a pandemia impactou os planos de 2020 e quais serão as novas iniciativas/ projetos para o próximo ano?

Ana Beatriz Cesa: A pandemia chegou e nos obrigou a fazer mudanças no movimento que há muito tempo sabíamos que era necessária, mas agora não tínhamos mais espaço. A primeira grande mudança foi nossa forma de trabalho e conexão, tanto entre as instâncias quanto entre os próprios membros, adotando uma postura forte de times remotos e trabalho online. Em paralelo a tudo isso, com a crise afetando a economia, todas as nossas metas começaram a ser afetadas e sendo as mais expressivas faturamento da rede e número de projetos e na sequência, nossas metas de expansão. Tínhamos clareza do nosso compromisso com o Brasil, com a formação das lideranças e com os pequenos negócios, que tanto foram afetados. Por isso, nosso foco em todo o período era: Como faremos para continuar levando as respostas necessárias? Com isso em mente, começamos a mudar alguns de nossos produtos, como o nosso encontro Nacional e encontro geral de articuladores, e passamos a criar novos pontos de contato online para a rede. Em paralelo, reformulamos as metas com base nas dores que a Rede e os empresários juniores nos trouxeram e criamos produtos, como o Unidos Pelo Brasil, que busca levar auxílio das empresas juniores aos pequenos negócios brasileiros. Entre julho e agosto os resultados voltaram a crescer de forma mais acelerada e estamos otimistas que vamos alcançar nossos gols! Acreditamos que 2021 ainda será um ano de grandes descobertas, readaptações e consolidação! Já é um ano extremamente importante para o MEJ por si só, último ano do ciclo do planejamento estratégico da rede, ano de ranking das universidade empreendedoras e lançamento das metas para os próximos três anos. Com certeza será um ano muito especial!

Você acha que os jovens brasileiros têm medo de empreender? Por quê?

Ana Beatriz Cesa: Dados nos mostram que na crise, a parte mais afetada da população é a juventude: tiveram queda nos salários, aumento da carga de trabalho e o desemprego chegou a ser 15% maior que o do restante da população. Além disso, 40% dos jovens com ensino superior no Brasil não tem emprego. Isso evidencia a dificuldade de ser jovem no Brasil e como o empreendedorismo vem como necessidade para os brasileiros. Não encontro fatos que comprovem um medo de empreender, mas percebemos o medo de falhar, a falta de apoio e de preparo e o mercado muito competitivo e com poucos incentivos. Percebemos também uma busca cada vez maior por atividades que auxiliem os jovens a se preparar quanto líderes e como empreendedores, sendo o MEJ um desses movimentos. Nosso crescimento (2016 possuíamos 300 EJs na rede, em 2020 estamos chegando na marca de 1300) é o fator mais claro desse movimento, 

O que falta para que tenhamos mais jovens nesse país empreendendo?

Ana Beatriz Cesa: Apoio, incentivo e uma cultura empreendedora mais forte nas instituições de ensino. Não só na superior, mas também no ensino médio e básico. Uma maior disseminação também do intraempreendedorismo, que chamem as pessoas a serem protagonistas e empreendedores das suas próprias carreiras! 

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais