Adaptação ao home office vai além da tecnologia

Por Bruno Rodrigues, diretor da Vertical People Tech da Associação Catarinense de Tecnologia

Passados mais de seis meses de pandemia, é fundamental fazer uma importante reflexão: como está sendo a real experiência dos colaboradores e empresas com o home office? Se de início todos foram pegos de surpresa, sem tempo para planejar adequadamente a transição, após esse período de teste prático, já é possível tirar algumas lições sobre erros e acertos do trabalho remoto. 

Naturalmente, as empresas de base tecnológica tiveram alguma vantagem na transição para o home office por conseguirem manter suas operações rapidamente de forma remota. Empresas de outros setores precisaram recorrer à tecnologia para se digitalizar e conseguir continuar seus serviços. A tecnologia é uma aliada para essa transformação digital, porém a adaptação ao trabalho remoto vai muito além da operacionalização. É fundamental que os gestores a utilizem também para avaliar, para além da produtividade, a saúde mental dos colaboradores. 

Em um primeiro momento, muito se falou sobre os benefícios do home office, como não perder mais tempo no trânsito, mais tempo com a família, flexibilidade no horário de trabalho, dentre outros. Os trabalhadores se sentiram mais produtivos, as empresas perceberam que era possível criar métodos de avaliação e comunicação. Porém, com o passar do tempo,  algumas coisas mudaram. Primeiro, porque a realidade de cada pessoa é única. Se durante alguns meses parecia OK trabalhar de pijamas,  sentado no sofá, ou em uma cadeira inadequada, depois de um tempo as costas começam a doer, a preguiça parece bater com mais frequência e os filhos passam a exigir mais atenção. 

Uma pesquisa realizada pela Social Base, integrante da Vertical People Tech e o portal RH pra Você, mapeou os erros e acertos do home office durante a pandemia. Foram cerca de 500 entrevistados de empresas de diferentes portes, sendo a maioria do segmento de tecnologia (17,30%). A maior parte (70%) respondeu que não fazia home office antes da pandemia, demonstrando que as empresas adotaram o modelo sem experiência prévia.  Foram avaliados pontos como estrutura, apoio da empresa, uso de ferramentas de comunicação, treinamento para o novo modelo de trabalho. 

Outro ponto avaliado foi se as empresas estão concedendo uma ajuda de custo financeira para a realização do home office, e 88,2% dos respondentes informaram que não. Também foi perguntado se a empresa ofereceu suporte de infraestrutura, como notebook, mobília de escritório entre outros, e 31% afirmaram que não. Em relação a carga horária, 48,52% apontaram que estão trabalhando mais do que antes. Um dos motivos apontados é a redução da barreira entre a vida pessoal e profissional, um dos maiores desafios quando tudo acontece no mesmo ambiente. 

Em outra pesquisa – Termômetro de Crise Covid-19 – realizada pela Pulses, plataforma de pesquisa de clima organizacional contínua, mais de 400 empresas,  sendo 27% do setor de tecnologia e software, ouviram seus colaboradores durante quatro meses, um universo de  cerca de 130 mil pessoas. O Termômetro da Crise avaliou quatro dimensões: adaptação ao home-office, com perguntas sobre canais de comunicação com a liderança e estrutura remota; conscientização, relativa à pandemia e cuidados pessoais; resposta à crise, medindo a percepção dos colaboradores em relação à medidas adotadas pela empresas; e sentimentos e percepção, medindo o nível de ansiedade e preocupação com a pandemia. 

Os resultados da Dimensão Adaptação apontaram que no início da pandemia os colaboradores (86%) se sentiam muito produtivos, porém, com o passar do tempo, essa percepção teve uma queda de 10 pontos percentuais. Quanto a estrutura remota, no início apenas 19% percebiam não ter um local e instrumentos de trabalho adequado, mas o percentual subiu para 27% em maio e estagnou em 26% em junho. 

Na Dimensão Resposta à Crise, as respostas no quesito atuação pessoal, no início 87% sentiram que suas atividades não foram afetadas, porém em junho esta percepção caiu para 81%, sendo que 7% afirmam não estar conseguindo executar o seu trabalho. Os resultados na Dimensão Sentimentos e Percepção foram os mais críticos em toda a pesquisa. No mês de abril, 15% dos colaboradores afirmaram não conseguir manter a calma diante da pandemia, subindo para 19% em junho. Em relação à ansiedade, em abril 51% dos colaboradores se sentiam ansiosos ou muito ansiosos. Em junho este indicador subiu para 54%.

Os resultados das pesquisas demonstram a importância de utilizar a tecnologia também como forma de criar estratégias que visem o bem-estar e cuidar da saúde mental dos colaboradores das empresas durante o home-office e na nova realidade, na qual se tem falado em adotar um modelo híbrido, no qual todos possam ter benefícios . Em janeiro de 2020, a ACATE criou a  Vertical de Negócios Peopletech, que reúne empresas de  base tecnológica que atuam no desenvolvimento e comercialização de soluções para gestão de pessoas. O grupo realiza encontros periódicos e faz da atuação em rede a chave para o desenvolvimento mútuo e fortalecimento do setor de tecnologia para gestão de talentos. São soluções para recrutamento e seleção, people analytics, treinamento, avaliação de performance, operação de ponto e folha, comunicação interna, bem-estar e saúde organizacional, trabalho remoto, dentre outros. Diferentes vertentes que têm sido fundamentais com as rápidas mudanças impostas pela pandemia.

A gestão de pessoas, que por muito tempo foi ignorada nas organizações, ganhou destaque desde o início da pandemia, pois viu-se que o maior ativo das empresas sempre serão as pessoas, e com todos trabalhando de casa, é fundamental pensar em estratégias para manter equipes motivadas e oferecer suporte para o trabalho ser realizado de forma adequada. É preciso entender que esta área é um patamar estratégico para as empresas. O momento pede, mais do que nunca, inovação na gestão de pessoas. A tecnologia é uma aliada, porém é preciso obter parceiros e especialistas que busquem gerar impactos positivos e mudanças sociais por meio da tecnologia.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais