Urban Jungle: o movimento que deu nova vida ao comércio de plantas

Com a adoção do distanciamento social como principal medida preventiva de diminuição do contágio do coronavírus, a permanência em casa pelo maior tempo possível se tornou a realidade de muitas pessoas.

Para amenizar os níveis de estresse e ansiedade, é normal que sejam incluídos na rotina novos hábitos e atividades relaxantes, uma vez que estes tornam o distanciamento mais leve.

Em uma tradução livre, o termo urban jungle (selva urbana) remete ao óbvio: a natureza é trazida, em partes, para dentro das residências.

O que antes era apenas um local para descanso ao fim do dia e talvez algumas refeições, para a maioria da população se tornou o escritório, a sala de aula e o espaço de treino.

Com a drástica redução de passeios ao ar livre, nada melhor que trazer um pouco da natureza para dentro de casa.

No Brasil e em Santa Catarina, o interesse por plantas suculentas, que exigem menor cuidado, mais que dobrou em relação ao ano passado. As orquídeas também tiveram forte aumento das buscas.

Entre a metade de março e início de abril, o interesse dos brasileiros aumentou em 150%.

Para o Santa Catarina, esse movimento ocorre justamente nas cidades de maior porte como Jaraguá do Sul, Chapecó, Palhoça, Blumenau e Joinville

O interesse das população em plantas já refletiu em aumento para o comércio varejista de plantas e flores e também dos hortifrutigranjeiros.

Os dados de arrecadação do estado apontam aumento em 119% no trimestre de maio a agosto em relação aos três meses anteriores.

O bom desempenho dos últimos meses já foi capaz de reverter a queda das vendas no início da pandemia.

Por conta da quarentena, as atividades estavam acumulando queda de 10% nas vendas até maio deste ano.

Com o movimento e a reabertura do comércio, as vendas do ano já somam alta de 4,3%.

Com esse estímulo, as vendas de hortifrutigranjeiros são reforçadas por uma tendência de crescimento existente desde 2018.

Já o comércio de plantas e flores ganha um novo ânimo após um período de estagnação da atividade.

De acordo com sócia e co-fundadora da Caravela Soluções, Carolina Custodio, há uma série de novos comportamentos dos consumidores após a pandemia:

“O maior tempo em casa mudou razoavelmente as preferências de consumo, estamos acompanhando a renovação de várias atividades ligadas ao lazer e bem-estar social, tal como o movimento Urban Jungle. A expectativa é de que parte considerável destes hábitos obtidos ao longo do ano deve prevalecer na rotina dos catarinenses”.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais