Projeto prevê a aprovação da primeira lei nacional no combate a violência contra professores

Um a cada dois professores que atuam em escolas já sofreu algum tipo de agressão, segundo o Sindicato dos Professores de São Paulo.

As agressões variam entre verbais (48%), seguido por assédio moral (20%) e bullying (16%), furto e roubo (8%), física (5%). 

Estes números reafirmam o patamar do Brasil em violência contra o professor: o país se encontra hoje em primeiro lugar no ranking.

As consequências deste cenário? Cada vez mais professores deixando de lecionar, seja por medo, seja por doenças como transtorno ou estresse.

A pandemia pode ter tirado os professores das salas de aula, do contato físico, mas isso não minimiza a situação de violência nas salas de aulas.

Desta forma, a Unicesumar, quarta maior universidade do país presente em 700 cidades com mais de 250.000 alunos, criou um projeto de conscientização, mobilização e legislação no combate a violência contra o professor. 

“Um país sem professores é um país sem esperança. Além disso, o motor e qualidade de qualquer instituição de ensino é o professor. Dar amparo legal e instrução ao professor no combate a violência é um passo importante. Por isso decidimos dar visão a esta iniciativa e somar ela ao desejo de todo aquele que entende a importância disso para o Brasil”, explica o professor Wilson de Matos Silva, reitor da Unicesumar.

Sob a responsabilidade do professor Ivan Dias Motta e da professora Andréa Lago, o projeto de lei foi elaborado com o intuito de estabelecer uma política pública nacional de enfrentamento à violência escolar.

Por consequência, enquanto plano nacional, tem seus desdobramentos a nível estadual e municipal, sendo capaz de resguardar e proteger os interesses dos professores das escolas municipais, estaduais e federais, públicas e privadas, auxiliando os docentes em situações de violência e , ainda, restaurar todos os envolvidos na agressão: os que sofreram, os que exerceram e os que assistiram. 

Para incentivar a aprovação do Projeto de Lei em Brasília, a iniciativa de conscientização, desenvolvida pela universidade e apoiada pela campanha de comunicação criada pela agência CP+B Brasil, prevê a arrecadação de mais de 1,5 milhão de assinaturas no abaixo assinado até o dia 15 de outubro, Dia do Professor, data da entrega do projeto à Câmara dos Deputados.

Entre as ações citadas, estão depoimentos de professores que sofreram algum tipo de agressão dentro das escolas, assim como vídeo interativo com notícias sobre a violência e conteúdo que mostra a dura realidade dos professores que são calados. 

“Criamos diversas iniciativas para conscientizar as pessoas do absurdo que é a violência contra uma figura tão importante quanto o professor, seja ela verbal ou física. Nosso maior objetivo é impulsionar este projeto de lei para que ele possa entrar em vigor e trazer maior segurança para dentro das salas de aula”, diz Marcos Medeiros, sócio e CCO da CP+B Brasil.  

Para as empresas que tiverem interesse em divulgar o projeto e assinar as peças, a Unicesumar disponibiliza peças que podem ser customizadas, inserindo a sua logomarca de apoio. 

Conheça as ações, assine a petição e consulte a minuta do projeto clicando aqui.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais