TCU manifesta-se favorável à concessão do Parque Nacional da Serra Geral

Em sessão plenária na última semana, os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) manifestaram-se favoráveis ao prosseguimento do projeto de concessão dos serviços públicos de apoio à visitação, proteção e gestão das unidades de conservação contíguas do Parque Nacional de Aparados da Serra (RS) e do Parque Nacional da Serra Geral (SC).

“Este foi o primeiro projeto de concessão de parques nacionais qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) a ser submetido à aprovação do TCU. A concessão não é propriamente uma privatização: o patrimônio continua sendo público, cabendo ao concessionário investir para melhorar o acesso ao parque a diversos públicos”, explica a secretária especial do PPI, Martha Seillier.

A ideia, de acordo com ela, é ampliar as oportunidades de aproveitamento do parque com restaurantes e trilhas, assegurando tarifas módicas, permitindo atender tanto ao turismo de baixo custo, quanto aquele voltado a pessoas de maior poder aquisitivo.

A iniciativa envolve investimentos da ordem de R$ 15 milhões, já nos primeiros quatro anos de contrato, cujo prazo total é de 30 anos.

Ao todo, entre investimentos em instalações físicas e na operação dos parques, o valor estimado é de R$ 260 milhões ao longo do período de concessão.

CONSERVAÇÃO AMBIENTAL

O concessionário deverá recolher, entre o 5° e o 30° ano do contrato, uma outorga variável de 1,6% da receita bruta da concessão, além de custear ações de monitoramento ambiental e manejo de espécies, além de programa de voluntariado de integração com o entorno e sensibilização ambiental, investindo nessas iniciativas o equivalente a 2,5% da receita bruta da concessão.

A qualidade da prestação do serviço por parte do concessionário será medida a partir de indicadores de desempenho, que englobam avaliação da satisfação dos visitantes, qualidade da gestão dos resíduos na operação e manutenção e conservação das estruturas da concessão.

O modelo prevê a contratação de verificador independente, que auxiliará o poder concedente na fiscalização e acompanhamento das atividades da concessão.

Em sua manifestação, o TCU fez algumas recomendações, as quais serão verificadas e prontamente atendidas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o que possibilitará a publicação, nas próximas semanas, do edital de licitação.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais