Fundo Garantidor da Acate já viabilizou mais de R$ 3 milhões em crédito para empresas de tecnologia

Ter acesso a crédito é um dos grandes desafios dos empreendedores de tecnologia, situação que se agravou ainda mais com a crise econômica gerada pela pandemia.

Para ajudar o ecossistema catarinense a enfrentar o momento, a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), por meio do Fundo Garantidor, já viabilizou o acesso a mais de R$ 3 milhões em linhas de crédito para 26 empresas até o fim de agosto.

Empresas de Florianópolis, São José, Blumenau, Itajaí, Joinville e Chapecó já utilizaram o benefício, e este valor poderá subir ainda mais,  alavancando até R$ 12 milhões nessa primeira fase. 

Uma das empresas que conseguiu contrair empréstimos com com o fundo foi a Asksuite, plataforma de atendimento inteligente para redes hoteleiras.

Atuando em um dos segmentos mais afetados pela crise, a startup começou a buscar crédito de forma preventiva ao observar o cenário em outros países, porém não teve sucesso por falta de garantias reais.

Com a chegada da pandemia no Brasil, tiveram um grande impacto no faturamento, os levando a demitir grande parte da equipe.

“Foi um alívio quando conseguimos a carta de garantia com a Acate. O recurso serviu para nos mantermos no início da crise, e nos deu segurança para prospectar investimentos para a internacionalização”, destaca o COO da Asksuite, Danilo Pavei.

A estratégia deu tão certo, que no mês de agosto a empresa recebeu um aporte de R$ 4 milhões e está retomando as contratações para o crescimento. 

A dificuldade para contrair empréstimos é uma realidade antiga do setor. Ao longo do tempo, muitas ideias inovadoras não foram desenvolvidas em razão da falta de capital, e os empreendedores não tinham como apresentar as garantias exigidas pelos bancos para contrair empréstimos.

Muitos contavam com aportes de fundos de investimento ou investidores-anjo, porém, um levantamento da Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos que atua no fomento do empreendedorismo, apontou que quase dois em cada três dos investidores-anjo entrevistados têm menos disposição de investir em startups no atual cenário, reforçando ainda mais a importância de iniciativas como o Fundo Garantidor para sobrevivência e desenvolvimento das empresas. 

“A crise evidenciou ainda mais a importância de termos um ecossistema estruturado e unido, já que esse fundo só foi possível pela contribuição de outras empresas associadas. Com certeza esses empréstimos estão fazendo diferença para os empreendedores que tiveram acesso e ainda fará para muitas outras empresas que ainda irão conseguir”, destaca Iomani Engelmann, presidente da Acate.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais