Tecnologia como meio para inovar em diversos setores

Por Marcelo Wolowski, CEO e cofundador da Invisto e diretor do grupo temático de investimentos da Acate.


Li no fim de semana um ótimo trabalho feito por um grupo de profissionais e acadêmicos sobre a Florianópolis de 2030. Vários agentes do ecossistema de Santa Catarina foram entrevistados e o estudo propôs ótimas alternativas para a cidade que tem a inovação no seu DNA.

Porém, não quero aqui discorrer sobre Florianópolis ou sobre a importância do estudo, mas sim sobre um assunto abordado nas conclusões deste relatório. Nas recomendações do estudo é sugerido: “Investir em inovação em todos os setores, incluindo turismo de experiência, economia marinha, construção civil e serviço público, não apenas no setor de tecnologia”. Na lista dos desafios associados ao município, o assunto é abordado da seguinte maneira: “Inovação é restrita ao setor tecnológico. É fundamental perceber o potencial de inovação em todos os setores”.

Minha experiência de mais de 20 anos junto às empresas de tecnologia, me permitem dizer que as afirmações apresentadas acima demonstram o quão imaturo é o ambiente de inovação em diversos setores econômicos, seja na indústria, comércio, ou prestação de serviços. 

Ao mencionar o setor de tecnologia e conhecendo este ambiente na capital catarinense, claramente faz-se referência às empresas desenvolvedoras de software, hardware e aplicações de internet. Tecnologia é meio para inovar, e não um segmento ou um setor conforme mencionado.

As empresas de tecnologia em sua grande maioria são prestadoras de serviços que atuam em diversos segmentos econômicos. Não é a toa que a Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) organiza suas mais de 1.400 empresas inovadoras em pelo menos dez verticais de negócios, entre as quais estão a construção civil, educação, economia criativa, cidades inteligentes, para mencionar apenas aquelas associadas ao estudo em questão. Objetivo das verticais, interagir com o setor tradicional.

Enquanto estes setores da indústria, comércio, agricultura ou serviço, além das grandes empresas não compreenderem o papel da tecnologia no processo de inovação dos seus negócios, sou categórico em afirmar que seus processos de inovação terão enormes dificuldades de serem implementados e naturalmente não gerarão valor aos seus negócios.

Segundo Peter Diamandis, em seu livro sobre organizações exponenciais, a tecnologia é fundamental para repensar os negócios tradicionais, trazendo disrupção, digitalização, desmaterialização, desmonetização e democratização aos produtos ou serviços. 

Aos empresários interessados, convido todos a conhecer e se aproximar do ambiente de inovação da ACATE e participar dos fundos de investimentos corporativos em inovação e tecnologia.

O estudo pode ser acessado através do link clicando aqui.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. EntendiSaiba mais