Primeiros impactos da pandemia no setor de tecnologia em SC, segundo estudo da Acate

A pandemia causada pelo coronavírus provocou uma série de impactos em todo o mundo.

Em Santa Catarina, mais de 1 mil postos de trabalho do setor de tecnologia foram fechados em abril de 2020.

No ano, o saldo entre admissões e demissões foi negativo, com menos 49 vagas.

Para minimizar os efeitos da crise no setor, a Associação Catarinense de Tecnologia criou o Plano de Ação ACATE COVID-19, com atuação em diversos eixos.

A entidade também realizou pesquisas entre os associados para entender os impactos e as principais necessidades. 

Os associados apontam que o crédito (45,9%), profissionais qualificados e a busca de investimentos, ambos com 32%, são as três principais necessidades que surgiram em virtude do cenário de crise.

Outras carências levantadas pelos associados contemplam a abertura de novos mercados, a segurança para o retorno ao trabalho presencial, a subvenção em projetos de inovação e o apoio para marketing digital.

Na percepção de como foram afetados, 29,8% dos respondentes consideram que o impacto no setor foi alto ou muito alto.

No fechamento de novos contratos e aquisição de novos clientes, os impactos são considerados muito altos (33,6%). 

Nas atividades, as vendas tiveram impacto intenso: quase 80% dos respondentes indicaram impacto médio, alto ou muito alto.

Em relação às finanças, essa percepção se aplica a 66,4% dos respondentes.

Em desenvolvimento e inovação, a maior parte das empresas entendem o impacto da pandemia será baixo (31,1%).

“O setor foi impactado de diferentes maneiras, conforme a área de atuação das empresas de tecnologia. Apesar disso, também está sendo um momento de crescimento para algumas empresas que passaram a alcançar o mercado de forma diferente. Mesmo diante do cenário adverso, cerca de 16,4% das associadas realizaram contratação de novos colaboradores durante a pandemia, então acreditamos que o setor vai fechar o ano com um saldo positivo de vagas”, ressalta o diretor executivo da entidade e coordenador do estudo, Gabriel Sant’Ana Palma Santos

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais