Prática de doação de alimentos já é comum entre supermercados e lei garante segurança para quem os recebe

Por Giulia Machado, repórter freelancer do Economia SC


Estabelecimentos comerciais agora possuem uma lei para a doação de alimentos. Aos que produzem ou fornecem alimentos, devem cumprir uma série de medidas para garantir a segurança alimentar de quem recebe os produtos.

Isso porque, em junho, foi sancionada a Lei nº 14.016, permitindo a prática desde que estejam dentro do prazo de validade, em condições sanitárias para consumo e propriedades nutricionais mantidas. 

Nesse contexto, os beneficiados (pessoas em situação de vulnerabilidade ou entidades sociais) podem contar com uma política mais eficiente e garantir a origem do produto consumido. 

De acordo com Paulo Cesar Lopes, presidente da Associação Catarinense de Supermercados (Acats), a entidade incentiva seus associados a doar alimentos, em especial para o programa Mesa Brasil do Serviço Social do Comércio (Sesc). 

“Além disso a Acats, em parceria com os expositores da Exposuper 2019 (convenção catarinense de supermercadistas e feira de produtos, serviços e equipamentos para supermercados), doou mais de 7 toneladas de alimentos, que beneficiou mais de 70 instituições e 8 mil pessoas em Santa Catarina”, destaca.

A cada edição da Exposuper, os expositores são convidados pela Acats a doarem os produtos utilizados na feira ao Mesa Brasil, que distribui os excedentes do evento para instituições na região de Joinville, cidade em que a feira acontece anualmente. 

Desde 2003, o Sesc atua com o programa Mesa Brasil, rede nacional de bancos de alimentos e colheita urbana, certificado pela Global Foodbanking Network (GFN), órgão internacional que apoia bancos de alimentos em todo o mundo.

O projeto recebe doações de indústrias de alimentos, centrais de distribuição, supermercados, armazéns, redes varejistas e atacadistas e associações de produtores rurais e as distribuem para as entidades cadastradas. 

NÚMEROS

De janeiro a junho deste ano, o Mesa Brasil distribuiu mais de 1.460 toneladas de alimentos em Santa Catarina

Desse montante, 227 toneladas foram doadas por 87 supermercados do estado. A quantidade restante foi doada pelos demais parceiros, como o Ceasa/SC, IMA, agricultores, padarias, confeitarias e distribuidores de alimentos.

Os alimentos foram doados para 489 instituições sociais sem fins lucrativos que atendem pessoas em vulnerabilidade social em 59 municípios catarinenses.

São instituições de longa permanência, para idosos ou menores acolhidos, centros terapêuticos para recuperação de dependentes químicos, contra turnos escolares, pastorais, institutos, fundações e associações.

A rede de supermercados Angeloni, por exemplo, tem a prática há mais de 10 anos. Em 2019 foram doadas quase 480 toneladas de alimentos. Já em 2020, foram encaminhadas mais de 200 toneladas. Atualmente é um dos maiores doadores do estado para o programa.

As mercadorias saem do ponto de venda antes do vencimento. Os produtos são encaminhados para o Mesa Brasil, que tem uma equipe de avaliação técnica, composta por nutricionistas que fazem a triagem e depois disso são efetuadas as doações.

A Cooper também participa da ação desde 2013, com uma média mensal de 8 toneladas doadas. A gerente de marketing da rede, Regina Eberle, conta que só no ano passado mais de 100 toneladas de alimentos foram doados.

Além de alimentos, podem ser doados ao programa produtos de limpeza e higiene pessoal, embalagens descartáveis, serviços de transporte, trabalho voluntário nas atividades operacionais e educativas e recursos financeiros, portanto pessoas físicas também podem doar.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. EntendiSaiba mais