SC tem pelo menos 188 pesquisas e projetos de extensão de combate ao coronavírus

A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc) fez um levantamento das ações de pesquisa e extensão realizadas por instituições de ensino para combater à pandemia do coronavírus e seus efeitos.

Estão em andamento agora ao menos 188 trabalhos e, o número de projetos deve aumentar significativamente com o lançamento do Programa Universal de Pesquisa, que irá destinar R$ 4 milhões para todas as áreas do conhecimento.

O presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, reforça a participação da fundação para fomentar alguns desses projetos:

“Com recursos do Governo do Estado temos apoiado pesquisadores, instituições, universidades e empresas. Vamos manter e ampliar esse tipo de apoio em nossa gestão”.

DIVERSIDADE

Além dos grandes projetos, que envolvem a produção de vacinas, de testes rápidos ou de estudos sobre as condições dos pacientes, há também outras ações que impactam no dia a dia do controle da doença.

Professores e alunos criam máscaras de proteção aos profissionais da saúde e dão suporte técnico realização de testes de coronavírus. Assim como desenvolvem tecnologias que ajudam em tratamentos e na tomada de decisões para conter a pandemia.

A segunda área com mais ações é a proteção social, com pesquisas que envolvem desde a análise da situação das famílias catarinenses durante esse período até as condições psicológicas e comportamentais causadas pela pandemia.

Já os programas de extensão estão relacionados à produção e distribuição de produtos às comunidades mais vulneráveis, como álcool gel, máscaras ou mesmo sabão.

Na área educação, há desenvolvimento de sistemas para aulas a distância e compartilhamento de informações para apoiar o ensino de crianças em casa.

Enquanto na proteção econômica, os pesquisadores estão focados em medidas para melhoria nas condições do trabalho em casa, proteção das cadeias produtivas e de mobilidade.

Há ao menos 102 em execução nas universidades e institutos de ensino públicos federais, 43 estaduais e 48 em universidades comunitárias. Também foi informado um projeto em uma instituição privada sem fins lucrativos.

Quando se trata da divisão por instituições, o levantamento aponta ainda para 77 projetos na UFSC, 40 na Udesc, 19 no IFSC, 11 na Unesc, 10 na Unochapecó, 8 na Univali.

Foram destacados ainda 6 projetos na Furb, 6 na Unisul, 5 na UFFS, 3 na Epagri, 3 no IFC, 3 na Univille, 2 na Unoesc, 2 no Unidavi, 1 no SATC, 1 na UNC e 1 na UFSC.

O levantamento foi realizado por autodeclaração a partir de questionário enviado pela fundação.

INVESTIMENTOS

Segundo o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapesc, Amauri Bogo, a fundação teve um importante papel de fomento à ciência e o combate ao coronavírus no estado:

“Nós tivemos uma demanda muito grande. Confirmamos que a Fapesc possui uma forte inserção dentro desse ecossistema. Não somente como era vista, como agência de fomento, mas como um elo das novas propostas e demandas que o Estado precisa”.

Já a gerente de Ciência e Pesquisa da Fapesc, Deborah Bernett Leal da Silva, destaca que os investimentos em pesquisa que no ano passado chegaram a R$ 42 milhões com recursos próprios e em parcerias com outras instituições:

“Apoiar redes e grupos integrados significa fortalecer o ecossistema de ciência, tecnologia e inovação. E isso se faz por meio de investimento em recursos humanos e em pesquisa aplicada diretamente ao desafio da sociedade”.

MAIS RECURSOS

O número de projetos relacionados ao coronavírus em Santa Catarina deve aumentar com o lançamento feito pela Fapesc do Programa de Pesquisa Universal.

Serão destinados R$ 4 milhões para todas as áreas de conhecimento.

Podem ser contemplados até 200 projetos com recursos que variam de R$ 20 mil a R$ 80 mil.

As inscrições vão até 23 de setembro clicando aqui.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais