Prejuízo da BRF cai para R$ 38 milhões no primeiro trimestre

Mesmo em um cenário global desafiador, a BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, registrou receita líquida de R$ 8,9 bilhões no primeiro trimestre do ano, um crescimento de 21,6% se comparado ao mesmo período de 2019.

Já o EBITDA Ajustado alcançou R$ 1,3 bilhão, apresentando expansão de 67,2% e margem de 14,0%, aumento de 3,8 pontos percentuais na comparação com o mesmo período do ano passado.

Lorival Luz, CEO da BRF, destaca que “o desempenho positivo é resultado da disciplina na execução do planejamento estratégico da companhia, apresentando avanços importantes em mercados-chave, rigor no controle de gastos, conquistas de novas habilitações para o mercado externo e investimentos em inovação e produtos”.

A evolução do desempenho operacional favoreceu a rentabilidade neste trimestre.

É o quarto trimestre consecutivo em que a empresa está em um novo patamar de resultados.

O lucro bruto foi de R$ 2,3 bilhões no período, um crescimento de 48,5% frente ao mesmo período do ano passado.

Com isso, a margem bruta totalizou 25,2% de janeiro a março, um avanço de 4,6 pontos percentuais, mantendo-se o patamar do quarto trimestre de 2019, o mais forte do ano.

“No entanto, fomos impactados pela constituição de uma provisão decorrente do acordo para encerramento da Class Action movida contra a companhia no EUA, além de maiores despesas financeiras com variação cambial. Ainda assim, o prejuízo líquido no trimestre foi reduzido, de R$ 113 milhões no primeiro trimestre de 2019, para R$38 milhões no primeiro trimestre de 2020″, explica o empresário.

No mercado interno, o volume comercializado atingiu a marca de 562 mil toneladas, o maior volume para um primeiro trimestre desde 2015.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais