Como o e-commerce ganhou força durante a pandemia, segundo a Abcomm

Através de um análise que envolveu mais de 20 milhões de pedidos em 4 mil lojas virtuais entre 1 de março e 8 de abril, a Associação Brasileira de E-commerce e a Konduto, fizeram um estudo sobre o impacto da pandemia gerada pelo coronavírus no setor.

As categorias consideradas no documento foram: artigos esportivos, brinquedos e jogos, farmácia, autopeças, calçados, livraria, bazar, cosméticos, móveis e decoração, bebidas, eletrodomésticos, ótica, bijuterias e acessórios, eletrônicos e supermercados.

As primeiras semanas de recomendações de quarentena causaram um efeito considerável sobre o e-commerce no Brasil.

Apesar de, em teoria, o isolamento social impactar negócios offline, as vendas eletrônicas tiveram uma redução de 19,24% quando comparamos com a segunda quinzena de março com a primeira.

A curva descendente, entretanto, não durou muito tempo. Nota-se um reaquecimento do e-commerce nos últimos dias de março e na primeira semana de abril, com uma retomada do ritmo de vendas em diversas lojas virtuais.

Confira a movimentação de cada setor citado no link clicando aqui

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. EntendiSaiba mais