Os mercados que vão se fortalecer e os que serão prejudicados pela pandemia

Por conta da crise gerada pela pandemia do coronavírus no mundo, a economia e os negócios estão à mercê de um novo comportamento dos consumidores e investidores durante e após esse período. 

As formas de consumir produtos e a maneira de fazer o dinheiro render serão afetadas diretamente pelo receio de comprometer a saúde em locais físicos e expor a quantia em risco dependendo da escolha de investimento.  

São duas variáveis que vai mudar totalmente o mercado nos próximos meses e anos. 

Nesse sentido, o economista e COO da Investweb, Christian Rocha, destaca alguns mercados que vão se fortalecer e os que serão prejudicados pela pandemia:

“Os principais mercados que vão crescer são aqueles que entregam algo online. No segmento de cursos, por exemplo, acredito que pós-graduações, mestrados e doutorados devem caminhar cada vez mais para o ambiente digital. O entretenimento deve seguir o mesmo sentido, pois tivemos uma amostra clara de artistas que estão se adaptando em famosas lives. O resultado foi um boom de acessos e possibilidades inovadoras no campo da publicidade”.  

Ele destaca que o home office também deve ser fortalecido, “tanto pelo lado de empresas diminuírem os custos de manter alguém em sua própria sede e filiais, como também movimenta o mercado de internet e equipamentos necessários para se ter um escritório em casa”. 

A saúde é outro segmento impactado positivamente, segundo o economista:

“As pessoas vão buscar se cuidar ainda mais, através de tratamentos, vacinas, atividades físicas (inclusive online), além da inserção de tecnologia para prevenção e identificação de doenças”.

Na campo da economia, ainda há uma insegurança muito grande, de acordo com Christian

“Como estamos acompanhando, o mercado de ações caiu muito. O que teremos de modificação são setores que serão investidos. Pessoas buscarão seguros, na crise esse mercado cresce, porque as pessoas estão com medo e, consequentemente, querem garantias de seus bens”. 

Outro setor que deve se beneficiar é os investimentos no na construção civil, dólar e ouro

Já em relação aos setores mais danificados pela crise, “estão hotéis, viagens, turismo, esportes e show, isso porque as pessoas vão pensar duas vezes em frequentar locais, com medo de contrair o vírus, uma vez que a vacina vai demorar para ser desenvolvida e o risco de contágio ainda é grande, mesmo com medidas de prevenção como lavar as mãos, usar máscaras, manter distanciamento entre pessoas etc.”.

Mercado imobiliário abre
oportunidade para investimentos

A tendência do segmento de investimentos no Brasil agora é de  diversificação para outros fundos, principalmente o mercado imobiliário.

De acordo com a pesquisa FipeZap do terceiro trimestre do ano passado, 38% dos entrevistados esperam adquirir um imóvel nos próximos meses, sendo 88% para moradia própria e 12% para investimento

Nesse segmento, a Investweb, plataforma de crowdfunding de investimentos certificada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), possui em sua carteira duas captações. 

“A partir de R$ 1 mil é possível investir no segmento imobiliário e ter uma rentabilidade mínima pré-fixada garantida. Isto é, no momento do aporte o investidor já sabe quanto, no mínimo, ele vai receber pelo seu valor investido. Podendo ainda receber mais do que isso, dependendo do sucesso do projeto. Mas a garantia do mínimo é muito interessante porque oferece uma segurança na hora de investir”, destaca Ana Paula Tomelin, CEO da Investweb. 

Confira abaixo os investimentos imobiliários mediados pela plataforma:

O Parque das Vilas, por exemplo, oferece 300% do CDI. É a maior rentabilidade pré-fixada atualmente oferecida neste tipo de plataforma. Confira o vídeo abaixo:

Além disso, a plataforma possui o Residencial Silva Jardim, empreendimento de alto padrão sendo construído em Joinville.Confira o vídeo abaixo:

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. EntendiSaiba mais