BC Convention revela impacto nos empregos do setor turístico

Entre os dias 24 e 26 de março, o Balneário Camboriú Convention & Visitors Bureau promoveu uma pesquisa com os associados que fazem parte do setor turístico de Balneário Camboriú e região para identificar os primeiros impactos causados nos empregos, diante da pandemia do coronavírus.

O estudo revelou que 79,9% dos funcionários entraram em férias, 10,6% continuaram trabalhando e apenas 9,5% tiveram contratos encerrados após o Decreto Nº515 do Governo do Estado, que dispõem sobre a necessidade de isolamento social.  

Sobre demissões futuras, 52,9% das empresas informaram que farão (neste momento estimadas em 8% do número total de funcionários do setor), 22,6% das empresas estão analisando o cenário antes da tomada de decisão, enquanto que 24,5% das empresas não pretendem fazer novas demissões.

Já no setor de alimentação, mais da metade das empresas, o total de 53%, seguiram trabalhando através de delivery e 47% das empresas estão com a atividade totalmente desativada. 

Para a gerente geral do Hotel Itália, Cristiane Dahlem, o setor está passando por algo nunca antes visto:

“Os danos econômicos virão na mesma proporção do vírus. O setor de Turismo e Eventos irá amargar um pouco mais a retomada, pois a população em geral está comprometida e entendeu o comportamento mais retraído que o vírus exige. Neste primeiro momento, estamos tentando priorizar e preservar o emprego de nossos colaboradores com a convicção de que vivemos um período de guerra, e que todos precisamos ajudar de alguma forma. Devemos entender o conceito de humanidade. Para isso, estamos analisando as medidas econômicas já pensadas e oferecidas ao nosso setor”.  

Para o proprietário da Kombina Felice, Rafael Scalco, a maior preocupação está na folha de pagamento dos funcionários, pois são muitas famílias que dependem disso:

“Essa é uma crise que pegou a todos de surpresa, poucos dias antes ninguém poderia imaginar ter que fechar todos os comércios não essenciais. Ela está causando um grande impacto econômico em todo o setor, pois a maioria das empresas tem caixa para passar no máximo um mês sem faturamento. Neste primeiro momento o impacto foi minimizado com a possibilidade das férias coletivas, porém se a quarentena persistir haverá demissões em massa, pois não será possível manter os empregos sem faturamento”. 

A presidente da entidade, Margot Rosenbrock Libório, mesmo com a estagnação da atividade em praticamente 90% do setor turístico, o empresariado resiste em fazer novas demissões:

“Há esperança que o trabalho se restabeleça e que as equipes voltem a atuar. Vemos que as medidas governamentais para ajuda às empresas do setor são tímidas e lentas. Este panorama pode afetar a decisão das empresas que ainda estão analisando o cenário e, pela falta de apoio rápido e contundente as novas demissões, poderão acontecer em maior número do que pensado em um primeiro momento”.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais