Comissão de Desenvolvimento Econômico avalia impactos no estado

A Comissão de Desenvolvimento Econômico do Governo de Santa Catarina, formada por representantes do estado e coordenada pelo secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Lucas Esmeraldino, se reuniu nesta semana para avaliar medidas e ações que amenizem os possíveis impactos na economia, devido aos avanços do Coronavírus no estado.

Representantes das Secretarias de Turismo, Agricultura, Badesc, BRDE e diretorias da SDE, fizeram um levantamento dos principais setores a serem afetados e que servirá de base para elaboração do plano emergencial de desenvolvimento e apoio.

O estudo será apresentado ao Governador, Carlos Moisés, nos próximos dias.

“Santa Catarina não pode e não vai parar. Estamos vivendo um momento exponencial, nunca vivenciado antes, onde precisamos focar na flexibilização das ações para que os impactos possam ser amenizados. Santa Catarina já enfrentou muitos desafios, como adversidades climáticas, enchentes, ciclones e crises mas, em todos eles, conseguimos superar e desta vez, não será diferente”, destacou Lucas Esmeraldino.

Entre as possibilidades avaliadas, foram discutidas a criação de linhas de crédito específicas em parceria com o Badesc, BRDE e Governo do Estado.

A estimativa é que o índice de Atividade Econômica retome ao seu crescimento, a partir do segundo semestre deste ano.

A presidente da Santur, Flavia Didomenico, falou sobre os impactos previstos no turismo e a importância de não cancelar, mas sim postergar eventos que podem ser realizados posteriormente:

“Com a privação do contato social, as pessoas deixam de circular e frequentar restaurantes, bares e, claro, deixam de viajar. O Turismo é essencialmente o deslocamento de pessoas e isso pode ocorrer por diversos motivos, seja pelo trabalho, negócios, lazer ou um evento em família. Com a restrição de convívio social o setor do turismo sofre um impacto violento com cancelamentos de voos, de viagens rodoviárias e, agora, mais recentemente, com a freada nas rotas de cruzeiros marítimos. E é pensando nesse impacto para os empresários e proprietários de negócios voltados ao turismo, que estamos buscando soluções para minimizar isso”.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais