Mulheres na tecnologia: solução para o gap de profissionais no segmento

O setor de tecnologia possui muita dificuldade de encontrar profissionais qualificados.

Esse gap fica ainda maior quando o assunto se refere às mulheres no mercado de trabalho da área.

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que a área de tecnologia deve muito às mulheres.

Ada Lovelace foi a fundadora da computação científica no século 18 (1815 – 1852).

Durante a Segunda Guerra Mundial, ela foi uma das cinco mulheres responsáveis por escrever instruções para o primeiro computador programável totalmente eletrônico do mundo.

O seu algoritmo permitia que o equipamento calculasse valores de funções matemáticas.

Em 1974, no bacharelado em Ciência da Computação do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (USP), as mulheres representavam 70% da turma.

Infelizmente, não evoluímos tanto nos anos seguintes. Conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), só 20% dos profissionais que atuam no mercado de tecnologia são mulheres.

E a raiz do problema não está atrelada ao grau de educação. Segundo o IBGE, as profissionais de do segmento têm grau de instrução mais elevado do que os homens do setor no Brasil, mas, mesmo assim, ganham 34% menos do que eles.

Em Santa Catarina, segundo o Observatório da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), 17.974 mulheres estão empregadas na área. O número representa 39,6% dos funcionários do setor.

No entanto, Florianópolis, conhecida como o maior polo tecnológico do Brasil, já conta com entidades e empresas que se movimentam para mudar essa realidade feminina.

Na Ahgora, empresa que desenvolve software para RH, o número de mulheres no quadro de funcionários é bem maior do que a média do setor.

“Elas ocupam 48% das vagas, muitas delas técnicas, como desenvolvedoras, produção, assistência técnica e hardware“, destaca Lázaro Malta, CEO da Ahgora.

Segundo ele, ainda hoje, as profissões relacionadas à tecnologia são vistas como majoritariamente masculinas. Além disso, existe uma cultura milenar vinda de sistemas educacionais e familiares que influenciam as escolhas profissionais femininas.

“Os três motivos que as próprias mulheres alegam para não entrarem no mercado de tecnologia são: falta de interesse, não acreditarem ser boas em tecnologia e não acharem que irão trabalhar com pessoas com as quais se sentiriam confortáveis ou felizes. Nosso objetivo é justamente eliminar essa visão dando mais oportunidades e fazendo com o ambiente de trabalho seja convidativo”, explica.

E foi essa a visão inspiradora que Milena Alvarez teve ao colocar os pés na empresa há pouco mais de um ano. Segundo a gerente de marketing, a sororidade é o ponto mais importante:

“Eu aprendi muito, me fortaleci e me inspirei em grandes mulheres que conheci nessa jornada. Quando você entende a importância dessa união, você começa a ser um agente transformador e contribui para empoderar mulheres para acreditarem nelas mesmas e serem resilientes quando falamos em um assunto tão enraizado e natural na nossa cultura que é o machismo. É muito gratificante ver a construção de um movimento que não diz mais respeito à mulheres apenas. Muitos homens são aliados na busca por esse reconhecimento e encaram lado a lado a evolução das mulheres nas empresas de tecnologia”.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. EntendiSaiba mais