Relatório aponta desafios e oportunidades da LGPD para pequenos negócios

O Sistema de Inteligência Setorial do Sebrae/SC (SIS/Sebrae) divulgou um estudo sobre a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que regula e estabelece regras para o uso e o armazenamento de informações pessoais. 

O relatório aborda os desafios e as oportunidades da lei e é voltado para os pequenos negócios, em um cenário onde 28% dos empreendedores ainda desconhecem a legislação, segundo pesquisa do Serasa Experian.

A LGPD é baseada no Regulamento Geral de Proteção de Dados Europeu (GDPR) e busca garantir os direitos relacionados à proteção da liberdade e privacidade no tratamento de dados, estabelecendo mais transparência e controle dos titulares no uso de suas informações pessoais.

As penalizações vão de advertências e multas à inviabilização de negócios.

Até agosto de 2020, as empresas que armazenam dados de clientes e funcionários devem se adequar e garantir a proteção dessas informações.

O relatório aponta que muitos pequenos negócios serão afetados por não disporem de uma governança dos dados, a exemplo de empresas que oferecem planos de fidelidade e, para isso, solicitam informações do cliente.

De acordo com o assessor jurídico do Sebrae/SC, Pedro Pirajá, para adaptar o empreendimento à nova lei é preciso sensibilizar os funcionários que têm acesso a dados, alertando para a gravidade de vazamentos, bem como procurar por consultoria especializada para um diagnóstico de adequação e avaliação do tipo de dado que a empresa alimenta.

Além disso, o setor de tecnologia também deve passar por adequação, com a implementação de base criptografada e anonimizada, prevenindo ataques de hackers de dados, que roubam informações para cobrar pela devolução, o que pode gerar penalizações jurídicas.

Entre os desafios que as pequenas empresas podem encontrar no processo de adequação, o relatório do SIS/Sebrae salienta a questão do tempo, já que uma consultoria para regularização pode levar de 10 a 12 meses.

Outros pontos são o investimento em pessoas qualificadas, treinamento de colaboradores, atendimento aos clientes sobre a situação de seus dados e organização de um banco centralizado e seguro com os dados.

Já entre as oportunidades, o estudo aponta que as empresas terão um banco de dados mais eficiente, com informações úteis de forma prática e segura.

As oportunidades também passam pela transformação digital, com a busca por conhecimento sobre organização e segurança de informações e a cultura colaborativa, em que diferentes áreas trabalham em cooperação para o tratamento ético e seguro de dados, maior confiabilidade nas relações comerciais e mais transparência.

A lei ainda deve permitir a possibilidade de participação no mercado internacional, já que países que têm leis de proteção de dados limitam operações com países sem legislação correspondente.

O relatório completo e a entrevista com o assessor jurídico podem ser acessados clicando aqui

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. EntendiSaiba mais